OLHOS PENETRANTES

“Todas as coisas, até as menores, estão anunciando o poder de Deus, sua sabedoria, sua bondade e outros atributos. Ao contemplar todas estas maravilhas e obras de Deus, vocês não podem senão exclamar com Santo Agostinho: “Senhor, o céu, a terra e todas as coisas me dizem que devo amar-Vos, meu Deus!” (Carta Ascética… ao presidente de um dos coros da Academia de São Miguel. Barcelona, 1862, p.7s).

Na Espanha dos anos 60 e 70 do século passado se fez muito popular uma canção que dizia: “Não nos importa toda esta gente que olha a terra e não vê outra coisa senão terra” (Rafael). Uma lenda conta que Francisco de Assis passeava pelos campos tocando as ervas e as flores com um bastãozinho e dizendo-lhes que cantassem mais suavemente.

É possível ter variados tipos de olhares para o que está ao nosso redor, ao planeta que habitamos. Existe o olhar utilitarista, o científico, o poético e o teológico. Podem ser compatíveis entre si e enriquecer-se mutuamente, mas só o último nos permite chegar no fundo da realidade: Também da criação pode se dizer que “em Deus vivemos, nos movemos e existimos” (cf. At 17,28). Segundo o pensamento bíblico, o universo vem de Deus, para quem tudo era bom (cf Gn 1,31), e se dirige a Deus, a participar da sua glória; está gemendo por isso (cf. Rm 8,22). Caminha para o ponto ômega, dirá mais recentemente Teilhard de Chardin.

São João da Cruz contemplava nas criaturas a beleza de Deus: “indo e olhando / somente em sua figura / vestidas as deixou com sua formosura” (Cântico Espiritual); e filósofos crentes viram nelas o mesmo Deus. O panteísmo se considera um desvio, pois a criação é limitada e Deus não pode sê-lo; por isso se disse que “o panteísmo é o erro mais perto da verdade”. Creio que se atribui a Pascal a aguda expressão: “em uma gota de água há muito mais de Deus que de água, embora a gota de água não seja Deus”.

Nos últimos tempos vem sendo sublinhado um dever do homem diante da criação: o respeito e a responsabilidade. A sã ecologia é uma atitude crente e ética. Não podemos fazer qualquer coisa com o mundo, pois pertence à geração seguinte e devemos entregá-lo sadio e formoso.

Percebo no universo um reflexo da beleza de Deus? Ou vivo quiçá algum espiritualismo desencarnado? Em que se nota minha responsabilidade ecológica?

Adicionar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Style switcher RESET
Body styles
Color scheme